Alguns tópicos sobre a guarda responsável Categoria: Guarda Responsável | 19 de Setembro de 2011 | Por: Aline Ailetos 2

Vi uma notícia que saiu semana passada no portal R7 que me fez ganhar coragem para tocar em um assunto de extrema importância: a Guarda Responsável. Nesta notícia foram apresentados dois casos de cães que foram roubados. O que me chamou a atenção foi que os dois estavam na rua. E eu me pergunto, o que eles estavam fazendo na rua?
A guarda responsável de cães e gatos abrange diversas questões muito importantes a serem difundidas e, principalmente, adotadas por todos os guardiões destes animais. Considerando esta importância eu preparei um guia rápido (nem tanto) sobre a guarda responsável baseando-se em textos da UIPA e da Arca Brasil.

 

Tempo de vida

Antes de se adquirir o bicho, considere o tempo que ele pode viver, pois a responsabilidade por toda a vida dele é sua. Seu animal nunca deverá ser abandonado, seja por imprevistos financeiros, por questões de saúde sua ou dele, de viagem, de nascimento de filhos ou por qualquer outro motivo. O ideal é que você conte com uma pessoa de confiança que possa cuidar do seu bicho em algum momento de necessidade.

Crédito da foto: BobMacInnes

 

Prefira adotar

Não aja por impulso e dê preferência à adoção de animais recolhidos das ruas e ajude a combater o abandono e a exploração de animais por criadores de fundo de quintal.

Crédito da foto: Aibitots

 

Leia também: Adotar um animal adulto: considere esta ideia

 

Ambiente a oferecer

Conheça previamente as características comportamentais e físicas e necessidades do animal que você pretende adquirir para analisar se ele se enquadra em seu estilo de vida e no ambiente que você pode oferecer a ele. Seu animal precisa de proteção contra o sol, o frio, a chuva e o vento.

Crédito da foto: jessicafm

 

Lugar de bicho é dentro de casa

Mantenha sua casa segura, telando todas as janelas caso more em apartamento para evitar quedas (elas acontecem e muitas vezes são fatais) e bloqueando todas as saídas de sua casa, sem manter o animal preso a correntes. Cachorros e gatos não devem sair nunca desacompanhados. No caso do cachorro, ele precisa de passeio e este deve ser feito em sua companhia e com a utilização de guia e coleira. Gatos não precisam de passeios nas ruas.

Crédito da foto: alex

Leia também: Preservando a vida dos nossos gatos

Além dos vários perigos que cães e gatos correm andando sozinhos pelas ruas, como os de atropelamento, envenenamento, briga com outros animais, doenças, roubo e maus tratos, eles podem causar diversos transtornos para as pessoas também, podendo causar acidentes de transito, atacar outras pessoas e animais (mesmo o animal sendo dócil, ele pode atacar quando acuado) e até entrar em casas alheias (ninguém deve ser obrigado a dispor sua residência ao transito de animais estranhos). Eu considero esta questão uma das mais importantes da guarda responsável não só pelo bem-estar do animal como também para vida do homem em sociedade.

Crédito da foto: harbortrees

 

Saúde física e mental

Forneça alimentação adequada e água sempre disponível e fresca. Mantenha a adequada higienização do seu animal, banhando-o regularmente e livrando-o de eventuais parasitas. Leve sempre que necessário seu animal ao veterinário e mantenha-o vacinado. Lembre-se sempre que seu animal pode ficar doente a qualquer momento e você deve prover a assistência médica necessária. Além disso, seu animal não é mais um item de sua mobília, ele precisa de atenção e carinho. E ele também não é um ser humano, considere as características da espécie dele e trate-o como o cachorro ou o gato que ele é.

Crédito da foto: nappent

Leia também: “Vai um pedacinho aí?” – Alimentos humanos para cachorros

Leia também: A importância da vacinação

Leia também: Cachorro que é cachorro tem carrapato

 

Controle de natalidade

Castre seu bicho em qualquer circunstância, seja macho ou fêmea, mesmo que ele não vá ter contato com outros animais. A castração, além do controle de natalidade, garante uma maior qualidade de vida a ele livrando-o de alguns tipos de câncer e infecções, além de estresses decorrentes de cio e gravidez psicológica.

 

Leia também: Subindo pelas paredes

Não coloque seu animal para se reproduzir, pois já existem criadores para isso, além dos muitos animais nascendo nas ruas e precisando de um lar. Você estará diminuindo as chances destes, além de não contribuir com o padrão e o melhoramento da raça. A castração é outra questão da guarda responsável de grande impacto social.

Crédito da foto: Jo Naylor

 

Identificação

Mesmo mantendo sua casa segura é possível que seu animal escape. Neste caso, é muito importante que seu animal tenha uma coleira com o nome dele e um meio de contato com você. Isso aumenta muito as chances de localização do seu bicho em uma eventual fuga.

 

Crédito da foto: timewithyouistimewellspent

Aline Ailetos

Blog | Twitter | Facebook | Google+

Introvertida, observadora, bióloga de formação. Apaixonada pelos bichos de estimação e sensibilizada pela causa animal. Defensora da guarda responsável de animais domésticos.

© Meu dono é o bicho - Todos os direitos reservados.
Não é permitida a cópia parcial ou total deste texto. Plágio é crime previsto pela Lei nº 9610/08.

2 Comentários

  1. 6 de Março de 2013 às 12:32 pm
    Cacilda

    Passou uma perua com gaiolas p gatos, um morador disse ser o casal amigo dele que tem um sitio e pegou uma gata com um gatinho, ela estava com dois filhotes, mas uma menina levou um filhote.
    O porteiro me ligou perguntando se nao queria dar o gato, havia comentado sobre minha alergia.
    Perguntei vc conhece as pessoas? sabe se vao levar ao veterinario? dar ração?
    Foi q ele me respondeu assim: ah Dona Cacilda gatos tem q ficar soltos e nao precisa de nada disso q a senhora esta fazendo, gastando dinheiro com ração e veterinario.
    E lendo agora seu post penso q eles iam jogar os gatos no sitio para caçar ratos etc…
    Tem pessoas que acham q pegar um animalzinho, joga-lo no fundo do quintal e dar resto de comida tá bom , falta conhecimento ou amor aos animais por essas pessoas.
    Isso era antigamente que nem existia ração e nem castração.
    Adorei seu post!

    • 7 de Março de 2013 às 9:40 am
      Aline Ailetos

      Olá Cacilda,
      Você tem toda razão! Hoje em dia, com todo o conhecimento adquirido e toda a informação disponível, não podemos mais criar animais de estimação como criávamos antigamente. É muito importante hoje nos preocuparmos com o bem-estar deles.

Deixar um comentário a Aline Ailetos

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados por *

*
*