Considere os problemas das raças de cães e gatos Categoria: Criação | 8 de Novembro de 2011 | Por: Aline Ailetos 2

A escolha da raça de cachorro ou gato deve considerar várias questões, como temperamento, tamanho e também as doenças características da raça, pois animais de raça têm mais propensão à doenças genéticas.

cachorro pugDurante a escolha do seu animal de estimação, muitas pessoas optam pelos animais de raça por diversos motivos, como a previsibilidade do seu tamanho e a possível previsibilidade do seu temperamento, além da sua aparência.

Algo importante a ser considerado, no entanto, é que os animais de raça estão muito mais sujeitos a apresentarem doenças, fato este devido a um longo processo de reprodução guiada pelo ser humano visando apenas uma aparência ideal, baseada em padrões pré-estabelecidos que deconsideram totalmente os problemas físicos resultantes.

Outra consequência ainda deste processo de criação de raças é a maior incidência de doenças genéticas causada pelo maior número de acasalamentos de animais aparentados, o que aproxima os genes raros responsáveis por estas doenças.

 

Um pouco sobre genética e evolução

A genética e a evolução dos seres vivos estão intimamente relacionadas. Os indivíduos que apresentam as características, determinadas pelos seus genes, que garantam sua sobrevivência frente às diversas condições ambientais têm mais sucesso reprodutivo, ou seja, vivem mais, reproduzem-se por mais tempo e, assim, deixam mais descendentes que herdam seus genes.

Graças à esta herança genética, estes descendentes também têm maior sobrevivência e também apresentam grande sucesso reprodutivo e este processo perdura até que as condições ambientais se modifiquem e passem a selecionar outras características.

Além disso, populações de espécies sadias apresentam um grande número de indivíduos, o que faz com que exista grande variabilidade genética, o que é importante, por exemplo, para que doenças determinadas por genes sejam raras. Dessa forma, as espécies apresentam grande número de indivíduos com altas chances de sobreviverem e deixarem descendentes, perpetuando-se, assim.

Este é o processo evolutivo também do cachorro e do gato quando reproduzem-se sem a interferência humana.

 

A criação das raças

O processo de criação de cães e gatos trouxe grandes problemas para os indivíduos de raça justamente por não se levar em conta o processo evolutivo das espécies. As características selecionadas pelo homem não os favorecem considerando-se o ponto de vista adaptativo, sendo apenas escolhidas baseando-se em padrões estéticos.

Com isso, muitas raças de cães e gatos não estão mais adaptadas para sobreviverem sem a interferência humana, sendo exemplos disso o gato de pelo longo que necessita de escovações frequentes e “microcachorros” que mais se parecem com presas do que com predadores na cadeia alimentar.

Além disso, muitas características estéticas selecionadas se tornaram verdadeiros transtornos para estes animais, prejudicando por exemplo a respiração e a locomoção de muitos deles.

Outra consequência da criação de animais de raças vem dos acasalamentos consanguíneos. Para se fixar as características mais rapidamente, cruzamentos mãe-filhos e irmão-irmãs são favorecidos o que faz com que a variabilidade genética se reduza e apareçam as doenças genéticas, que se tornam cada vez mais comuns à medida em que a população de consanguíneos cresce.

O que quero deixar com tudo isso é que quando você for escolher seu bicho de estimação, caso decida-se por determinada raça, não considere somente seu aspecto e seu temperamento, estude também sobre os possíveis problemas físicos enfrentados, além das doenças genéticas características da raça.

Converse com os criadores, veja a maneira com que são feitos os cruzamentos, se há grau de parentesco entre os pais e avós do filhote, se há preocupação com relação à carga genética que está sendo transmitida.

E caso você já tenha um animal de raça, não o coloque para a reprodução sem ter informações sobre a família dele para saber a ocorrência de doenças genéticas, pois do contrário você poderá contribuir para a disseminação destas e para o sofrimento de diversos outros animais.

A criação de cães e gatos não deixa de ser um comércio e vive da demanda do mercado consumidor. Exija melhores condições de saúde aos nossos companheirinhos de raça e ajude a minimizar o sofrimento destes seres que nos são tão caros, considerando-se o sentido afetivo da palavra.

Aline Ailetos

Blog | Twitter | Facebook | Google+

Introvertida, observadora, bióloga de formação. Apaixonada pelos bichos de estimação e sensibilizada pela causa animal. Defensora da guarda responsável de animais domésticos.

© Meu dono é o bicho - Todos os direitos reservados.
Não é permitida a cópia parcial ou total deste texto. Plágio é crime previsto pela Lei nº 9610/08.

2 Comentários

  1. 8 de Novembro de 2011 às 8:34 pm
    Simone

    Caraca, sempre curti os vira latas. Mas… por curtir mesmo e não por ter conhecimento sobre tudo isso que vc postou aí. Sempre influencio meus amigos a adotarem vira latas, pq acho nojento o comércio de animais. E depois de tudo isso que li, vou continuar influenciando, pode ter certeza! Muito bom o texto!
    aliás… seus textos estão ótimos!

    • 8 de Novembro de 2011 às 8:58 pm
      Aline Ailetos

      Obrigada, Simone!
      E ahhh…. eu também sou fã dos virinhas!!! E sempre indico a adoção. Mas há os que preferem comprar e animais de raça sendo criados. Então achei interessante abordar este assunto.

Comentar

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados por *

*
*